O Retrato De Dorian Gray, Oscar Wilde

Oláa! ( ˵ ՞  ‿‿ ՞  ˵  ) Terminei essa leitura há pouco e venho contar o achei. A estória não é nova para mim porque, além de ser um clássico, eu já havia começado a ver o filme uma vez (mas estava pornozento demais então fui embora HAHA) mas, mesmo assim, acabou me instigando bastante.

Informações:
Título:                       O Retrato De Dorian Gray
Gênero:                     Romance, Ficção, Fantasia
Editora:                    Martin Claret
Ano:                          1998
Páginas:                    177
Autor:                       Oscar Wilde
Sinopse: Versão de Oscar Wilde para o mito faustiano da perda da alma em troca dos prazeres mundanos, "O retrato de Dorian Gray" é um relato de decadência moral e punição, exemplo do humor cáustico e refinado de seu autor. Dorian Gray é um belo e ingênuo rapaz retratado pelo artista Basil Hallward em uma pintura. Mais do que um mero modelo, Dorian Gray torna-se inspiração a Basil em diversas outras obras. Devido ao fato de todo seu íntimo estar exposto em sua obra prima, Basil não divulga a pintura e decide presentear Dorian Gray com o quadro. Com a convivência junto a Lorde Henry Wotton, um cínico e hedonista aristocrata muito amigo de Basil, Dorian Gray é seduzido ao mundo da beleza e dos prazeres imediatos e irresponsáveis, espírito que foi intensificado após, finalmente, conferir seu retrato pronto e apaixonar-se por si mesmo. A partir de então, o aprendiz Dorian Gray supera seu mestre e cada vez mais se entrega à superficialidade e ao egoísmo. O belo rapaz, ao contrário da natureza humana, misteriosamente preserva seus sinais físicos de juventude enquanto os demais envelhecem e sofrem com as marcas da idade.

Basil Hallward é um talentoso pintor que um dia decide fazer um retrato de seu grande amigo, sua paixão secreta, Dorian Gray. Ele é um jovem inocente e carismático, dono de uma beleza estonteante.
A coisa mais comum fica deliciosa se alguém a esconde.
Dorian não tem, inicialmente, consciência de sua beleza e, depois de ser influenciado pelas ideias de um novo amigo, passa a se lembrar de que ela não é eterna. Ele então deseja não envelhecer jamais, deixando essa tarefa para seu retrato.
O único modo de se livrar da tentação é ceder a ela. Resista e sua alma cada vez mais adoece com o anseio pelas coisas que ela mesma se proibiu com o desejo pelo que suas leis monstruosas tornaram monstruosas e ilegais.
O Retrato De Dorian Gray possui algumas passagens um pouco maçantes, mas traz uma estória interessante e que prende. O tal retrato do personagem muda aos poucos, de maneiras impossíveis ao pensamento realista, causando um grande tormento á Dorian.
A experiência não possuía nenhum valor ético. Era simplesmente o nome que dávamos aos nossos erros.
Isso desencadeia situações extremas, comprometendo cada vez mais a alma do personagem, fazendo-no se afastar daquela pessoa inocente e pura que costumava ser. Realmente instiga bastante, deixando a curiosidade sobre o quê acontecerá em seguida, ao mesmo tempo que a narrativa traz várias reflexões sobre a sociedade, principalmente sobre os valores e a vaidade.
"Cada um de nós tem o Céu e o Inferno dentro de si, Basil", exclamou Dorian, com um gesto louco de desespero.
O final foi um tanto abrupto para mim, apesar de bem pensado. Eu esperava mais conflitos, mais crimes, mais intrigas, e fiquei meio "mas já?". Mesmo assim, uma boa leitura de fato.

Avaliação:
★ ★ ★ ★ ☆