Death Sweeper (até o º17 capítulo)

Olá, boa noite! ( ꒪౪꒪)ฅ Normalmente escrevo as resenhas depois que concluo a leitura, a não ser, no caso de mangás, que eu não queira ler os próximos volumes. Porém, eu baixei e li esse mangá e só depois vi que haviam mais volumes e acontece que ele está parado em quase todos os scanlators que encontrei!
Deve ter flopado ou algum scan grande parou de postá-lo, de forma que está demorando anos para atualizarem. Eu realmente queria continuar lendo-no, e minha esperança é o Fascínio Asiático, que está à frente de todos os outros. Terminei o  º17 capítulo e vim escrever sobre a estória até agora, uma vez que não sei ao certo quanto tempo irei demorar para ler a obra completa.

Informações:
Título:           Death Sweeper/ デス・スウィーパー
Editora:        Comic Charge
Ano:              2007 - 2009
Gênero:         Horror, Seinen, Drama, Sobrenatural, Psicológico
Autor:           Sho Kitagawa
Volumes:       5

Sinopse: Esse mangá é sobre o trabalho de limpar as cenas de morte, e discutir o significado da vida e da morte. Por meio da interação entre a família do falecido e amigos com os “varredores da morte”, compreendemos o significado da morte. Não importa se foi uma morte tranquila no fim da vida, assassinato, suicídio ou por doença; quando a morte vem, quem será capaz de prevê-la, ou evitá-la? É por isso que devemos dar o melhor de nós para continuarmos vivos.


O irmão mais velho de Okazaka, que sempre se destacou por sua inteligência, um dia de repente é encontrado morto em seu apartamento. Okazaka pensa se tratar de suicídio já que, em sua última visita, o irmão comentou sobre como deveria morrer em breve.
Incapaz de aceitar a perda, ele se junta à Sweeper, uma empresa especializada em limpar o local e cuidar dos pertences dos falecidos. Toda a equipe possui personalidades excêntricas e interessantes, principalmente seu primeiro parceiro, Miwa Reiji.
Death Sweeper me surpreendeu bastante, positivamente. Gosto bastante de estórias assim, que mostram o cotidiano de alguma profissão interessante, então foi uma leitura muito interessante. Nunca havia parado para pensar sobre esse trabalho, sobre alguém que limpasse os locais onde houve uma morte e foi, sem dúvidas, muito diferente e envolvente.
A cada dois ou três capítulos, mais ou menos, há uma nova estória, de um serviço diferente. Por mostrar bem tudo isso, é um mangá mais forte, ainda que não tenha destaque para cenas elaboradas de horror.
Enquanto conhecemos, junto a Okazaka, mais sobre o trabalho da empresa, nos deparamos com uma nova perspectiva sobre a morte; ela é tratada como algo natural, que uma hora ou outra chega até nós. Além disso, esse mangá nos leva à curiosidade pelas emoções humanas, a forma como cada um por quem passamos na rua vive sua vida. E é até engraçado como vamos sendo levados a perguntar como teria sido a vida de uma pessoa, depois de sua morte.
Gostei muito de ler Death Sweeper até agora e estou muito curiosa pelas próximas aventuras, para saber mais sobre os personagens. Gostaria, no entanto, que fosse abordado mais a morte misteriosa do irmão de Okazaka, porque a forma como tudo aconteceu é muito intrigante e não acredito que tudo isso de ressaltar o alto índice de suicídios no Japão, mais o instinto investigador do protagonista, seja qualquer coisa.

Leia aqui (traduzido para português)