Mentirosos, E. Lockhart

=^● ⋏ ●^= Sempre ouvi falar muito bem desse livro e posso dizer que, realmente, é uma leitura que vale a pena. Fazia tempo que eu estava em uma espécie de ressaca literária, e foi muito bom encontrar uma leitura que atingisse minhas expectativas e surpreendesse!

Informações:
Título:                       Mentirosos
Gênero:                     Jovem Adulto, Suspense e Mistério
Editora:                    Seguinte
Ano:                          2014
Páginas:                    272
Autora:                     E. Lockhart
Sinopse: Na família Sinclair, ninguém é carente, criminoso, viciado ou fracassado. Mas talvez isso seja mentira. Os Sinclair são uma família rica e renomada, que se recusa a admitir que está em decadência e se agarra a todo custo às tradições. Assim, todo ano eles passam as férias de verão numa ilha particular. Cadence — neta primogênita e principal herdeira —, seus primos Johnny e Mirren e o amigo Gat são inseparáveis desde pequenos, e juntos formam um grupo chamado Mentirosos. Cadence admira Gat por suas convicções políticas e, conforme os anos passam, a amizade com aquele garoto intenso evolui para algo mais. Mas tudo desmorona durante o verão de seus quinze anos, quando Cadence sofre um estranho acidente. Ela passa os próximos dois anos em um período conturbado, com amnésia, depressão, fortes dores de cabeça e muitos analgésicos. Toda a família a trata com extremo cuidado e se recusa a dar mais detalhes sobre o ocorrido… até que Cadence finalmente volta à ilha para juntar as lembranças do que realmente aconteceu. Mentirosos é um suspense moderno e sofisticado, impossível de largar até que todos seus mistérios sejam desvendados. Ao mesmo tempo, a prosa lírica e o estilo seco e denso o fará mergulhar de cabeça no mundo dos Sinclair e nas crescentes angústias de Cadence — para então vir à tona completamente impactado.


Mentirosos apresenta Sinclair, uma família rica, grande e feliz. Pelo menos, é isso que todos pensam e como seus membros pintam a si mesmos. Cadence é a neta mais velha da família, a quem o patriarca deposita predileção e grandes expectativas.
Essa família costuma passar os verões em uma ilha luxuosa e é nesta que tudo acontece. A família de Cadence sempre se encontra lá durante as férias, portanto a jovem costuma ter como companhia seus primos e o amigo de um deles.
Os quatro - Cadence, Johnny, Mirren e Gat - são inseparáveis nestes verões, sempre brincando e sendo cúmplices. Eles são conhecidos, na família Sinclair, pelo apelido de Mentirosos. Com Gat, amigo da família de classe inferior, ela cultiva uma amizade forte que aos poucos se torna romance.
E, em um certo verão que parecia apenas mais um, Cadence vê sua vida tomar rumos muito diferentes de tudo que imaginou quando sofre um acidente misterioso, do qual não se lembra.
Desde então ela vêm tomando medicamentos pesados, sofrendo de dores de cabeça, além do cuidado excessivo e silêncio de todos que a rodeiam. Dois anos após o ocorrido, ela está de volta à ilha para mais férias, e está determinada a escavar os fatos e descobrir a verdade sobre o que aconteceu.
Esse livro merece muitas estrelas por ter me conquistado tão rapidamente quanto à sua narrativa, depois de tantas leituras que não o fizeram! Mentirosos é narrado por Cadence e apresenta alguns padrões peculiares, com muitos trechos escritos parecendo um poema, além da própria escrita ser um pouco poética.
No começo fiquei um pouco perdida por tantos nomes, afinal se trata de uma grande família, mas isso não interferiu muito pois o foco fica nestes quatro personagens, suas mães e o avô da família. A estória logo alcança um ritmo bom, com a personagem contando aos poucos tudo que antecedeu o tal acidente, preparando terreno para o grande conflito.
– Fique triste, sinta pesar, mas não carregue isso nos ombros.
Este que, aliás, prende bastante por todo seu mistério. Fica a grande curiosidade sobre como tudo aconteceu, porquê ninguém fala abertamente sobre isso. Vão surgindo então fragmentos de memórias de Cadence Sinclair, apontando cada vez mais para as verdades que virão.
Não conhecia muito sobre o enredo antes de começar a leitura e posso dizer que, de início, me decepcionei um pouco por haver bastante foco no romance entre Cadence e Gat - eu não estava esperando por isso. Mas, depois, fui entendo sua grande importância para o enredo, e acabei gostando dessa parte. E, claro, a curiosidade me seguraria mesmo se o romance pudesse me desanimar um pouco, apesar disso não ter ocorrido felizmente.
Estes personagens principais acabam conquistando de alguma forma. Cadence é uma garota fácil de imaginar em vários outros livros, sem uma personalidade sobressaltante, mas a narrativa através de seus olhos cria esse laço com o leitor. Torci bastante para que ela recuperasse suas memórias e ficasse bem, mas admito que tive algumas ressalvas quanto à sua construção. Depois do acidente era, supostamente, para ela ter se tornado uma pessoa diferente, praticamente viciada em drogas e cheia de enxaquecas. Tudo bem, mas só que não senti isso lendo através do seu ponto de vista.
Gostaria que a autora tivesse explorado mais isso, mostrado mais sobre sua dor e bagunça, mostrado mais como ela estava sofrendo com tudo aquilo. Muitas vezes Cadence falava de si mesma como uma pessoa chapada, de tantos remédios, mas eu não sentia isso, não conseguia imaginá-la assim porque, na maioria das vezes, ela era uma garota normal. E não apenas normal em aparência; por dentro também. Ela buscava entender as pessoas de sua família e seus conflitos, mas eu praticamente esquecia de sua condição, a menos que ela mesmo se lembre ou passasse alguns dias "de molho". Acho que esperava mais confusão mental e desespero.
Mesmo assim, o desenrolar do livro foi ótimo. De fato surgem, com Gat, muitas questões a se pensar sobre as injustiças do mundo. É interessante ver um personagem jovem com tanta vontade de fazer algo pelo mundo, mesmo que ele não tenha sido meu preferido. Uma coisa que me impressionou, que eu até estava, por coincidência, pensando quando estava assistindo a meu dorama, foi o quanto este livro mostra sobre como o ser humano se torna acorrentado por causa de bens.
Essa família é um caso daqueles em que a pessoa é rica e vive bem, mas não tem liberdade alguma e precisa fazer qualquer coisa, agradar pessoas manipuladoras e desagradáveis, por estabilidade financeira. É lamentável.
Há ainda outras retratações da realidade, como a vida mantida pelas aparências, privilégios, e tudo mais. Ficava bolando, durante a leitura, algumas hipóteses bem previsíveis para o grande mistério, e foi realmente ótimo quando este se resolveu e fui surpreendida. Totalmente surpreendida! Foi um choque e tanto, que me fez desconsiderar as pequenas decepções anteriores, torná-las meros detalhes. Precisava focar nessa reviravolta, de tão UAU que foi. Fazia algum tempo que um livro não me surpreendia tanto. Apesar de ser uma reviravolta comum em outros livros e filmes por quais já passei, me surpreendeu demais por ser inserida nessa estória. Ao iniciar a leitura, nunca iria imaginar algo assim, e se encaixou muito bem.
O final é bem fechado e, apesar de não ser bem como eu gostaria que tivesse sido, não me decepcionou. Li rapidinho e foi uma das melhores leituras dos últimos meses!

Avaliação:
★ ★ ★ ★ ★