S. Bernardo, Graciliano Ramos

ʕ ⇀ ⌂ ↼ ʔ Esse é mais um clássico da literatura brasileira que li, sendo de um dos autores mais prestigiados.

Informações:
Título:                       S. Bernardo
Gênero:                     Literatura Brasileira
Editora:                    Record
Ano:                          2007
Páginas:                    269
Autor:                       Graciliano Ramos
Sinopse: Os que partem do Nordeste fustigado pela seca forneceram a Graciliano Ramos o material para sua obra mais popular: Vidas Secas. Os que ficam lhe permitiram construir o romance que o projetou como um dos maiores escritores brasileiros: São Bernardo. Como a paisagem árida e impiedosa do sertão nordestino, a narrativa de Graciliano Ramos se vale apenas do essencial. Para ele, o mundo não libera encantos, as paisagens são apenas pontos de referência entre os quais os personagens se movem. Esta linguagem crua e despojada está presente em São Bernardo, romance que tem a força de uma tragédia rural brasileira. Adaptado para o cinema pelo diretor Leon Hirzsman, ele conta a história de Paulo Honório, um homem simples que, movido por uma ambição sem limites, acaba por se transformar num grande fazendeiro do sertão alagoano, e casa-se com Madalena para conseguir um herdeiro. Incapaz de entender a ótica humanitária pela qual a mulher vê o mundo, ele tenta anulá-la com seu autoritarismo. Com este personagem, Graciliano traça o perfil da vida e do caráter de um homem rude e egoísta, do jogo de poder, e do vazio que acompanha sua perigosa escalada, onde não há espaço nem para a amizade, nem para o amor. São Bernardo segue, dessa forma, como o mais contundente romance sobre a solidão escrito em nossa língua.

S. Bernardo é sobre Paulo Honório, um homem que está se aventurando em escrever sobre sua vida. Ele teve uma infância difícil e aprendeu a usar a esperteza. É dessa forma que ele conseguiu se tornar dono da fazenda São Bernardo, onde se passam suas peripécias.
A verdade é que nunca soube quais foram meus atos bons e quais foram os maus. Fiz coisas boas que me trouxeram prejuízo; fiz coisas ruins que me deram lucro.
Esse livro havia me agradado de início, mas depois fui criando uma certa antipatia pelo protagonista, por causa de suas atitudes. É uma pessoa bem desagradável e é difícil gostar de uma leitura quando a estória toda gira em torno de uma pessoa que não lhe inspira simpatia e amizade.
Mas é bom um cidadão pensar que tem influência no governo, embora não tenha nenhuma.
Não são muitos os personagens, e conhecemos cada pelos olhos desse mesmo, então é difícil não haver uma parcialidade ali. Porém gostei de conhecê-los quando estes traziam estórias, mesmo que estas narradas por Honório.
Para que tudo aquilo? O governador se contentaria se a escola produzisse alguns indivíduos capazes de tirar o título de eleitor.
Mesmo assim, é uma leitura com certos pontos positivos, além de desnudar uma realidade comum. Gostei do tom crítico de algumas passagens e é interessante por mostrar as mudanças políticas da época onde se passa o livro.

Avaliação:
★ ★ ☆ ☆ ☆